terça-feira, 14 de julho de 2020

Médico e prefeito de Porto Feliz (SP) apresenta protocolo com cloroquina e seus resultados


O médico e prefeito Cássio Prado. Foto: Reprodução
O prefeito Antônio Cássio Habice Prado (PTB), de Porto Feliz (SP), tem despontado como um dos principais expoentes do tratamento precoce da covid-19.

O município está situado a cerca de 100 quilômetros da capital São Paulo e tem pouco mais de 53 mil habitantes.

Foi lá que o prefeito, formado pela Universidade de São Paulo (USP), é pós-graduado em Medicina Intensiva, especialista em UTI, colocou à disposição da população o uso da hidroxicloroquina associada a outros medicamentos em unidades de saúde.

O protocolo adotado foi apresentado em uma transmissão ao vivo feita pelo YouTube, no dia 27 de junho, moderada pelo jornalista Alexandre Garcia.

A live teve a participação de outros médicos brasileiros e soma quase 2 milhões de visualizações.

Imagem: Reprodução/YouTube

O “Kit Covid-19”, entregue no estágio inicial dos sintomas do novo coronavírus, é também composto por azitromicina e ivermectina – medicamentos criticados quanto a sua eficácia.

O Protocolo
A experiência, considerada de sucesso, do médico e prefeito Cássio Prado, conforme ele mesmo conta, começou no início de fevereiro, quando o serviço de saúde do município foi reestruturado.

“Em março, fizemos um protocolo, reunindo os médicos da minha equipe e esse protocolo se baseou no protocolo de Madri, de Bérgamo e de Marselha. Desde o final de março, quando tivemos o primeiro caso, temos feito o tratamento precoce de todos os pacientes com sintomas leves de covid-19, com diagnóstico clínico e tomográfico“, conta.

O prefeito relata ter sido criticado no início, mas nenhum dos pacientes tratados precocemente evoluiu a tubo, respirador, UTI ou óbito. O protocolo já passou da sua 5ª versão.

“Os três óbitos que tivemos (até o dia 27) na cidade são de pacientes que não fizeram o tratamento precoce. Mesmo que os pacientes evoluam para a fase dois, fica mais fácil o tratamento“, acrescenta.

Outra medida tomada foi tratar os contactantes, quem tem alguém com covid-19 em casa, com profilaxia. De aproximadamente 4.500 contactantes, ou mais, nenhum deles teria desenvolvido a covid-19.

Profissionais de saúde também são tratados com a profilaxia e, Segundo o prefeito, dois médicos que se recusaram acabaram desenvolvendo a covid-19.

Uma experiência também lembrada foi o uso de ivermectina para uma quadra de um bairro, perto de 290 moradores. Nas quadras ao redor, houve caso de covid-19, ao contrário da selecionada.

“É uma experiência de sucesso. Estamos conseguindo controlar a doença. Mas há também uma procura tardia, quando a pessoa só procura o tratamento no 10º dia“, comenta o médico.

Confira a íntegra do encontro dos profissionais: