domingo, 3 de outubro de 2021

Na Paraíba, Banco do Nordeste aplica 69% dos recursos do FNE no Semiárido

(Crédito: Antonio Cabral/DRT-PB 3085)
N
a Paraíba, 69% dos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), operacionalizado com exclusividade pelo Banco do Nordeste, foram destinados para o Semiárido. O percentual representa quase R$ 430 milhões somente na região, delimitada geograficamente pela Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e caracterizada por altas temperaturas, além de baixo índice pluviométrico.

Um exemplo de produtor que aproveitou as vantagens do FNE para começar um negócio inovador foi o cliente Stênio Andrey Guedes. Em 2017, ele adquiriu uma estufa para produção de morangos hidropônicos, num sistema com reaproveitamento da água e sem uso de agrotóxico. Em Nova Floresta, no Semiárido paraibano, o engenheiro agrônomo tem produzido 6 mil plantas de morangos, com vendas diretas da fruta nas cidades de Cuité, Santa Cruz, Picuí e Nova Floresta.

"Fizemos um estudo de mercado e vimos que o morango utiliza pouca água no sistema hidropônico, inclusive com reaproveitamento da água. Além disso, nossa região é serrana, o que também favorece a cultura. Então a aceitação tem sido positiva, não utilizamos agrotóxicos e a durabilidade do produto também é muito boa", destaca o cliente do programa Agroamigo. O produtor cultiva ainda outras hortaliças e possui um ponto de venda, o Canteiro Cheiro Verde.

O gerente de microfinança rural Agroamigo, Adoniran Viana, ressalta a importância da consolidação de empreendimentos no Semiárido de forma a impulsionar a economia. "Temos a pulverização de recursos com a microfinança e os exemplos de clientes que buscam modernizar a produção, revisam suas práticas e melhoram processos. Tudo isso impacta para que o desenvolvimento regional ocorra de forma distribuída", ressalta.


oblogdepianco.com.br com Assessoria