terça-feira, 3 de agosto de 2021

Eduardo Cunha pede a anulação de ações penais contra ele no "Quadrilhão do MDB"; Ministro Alexandre de Moraes diz que procesos permanecerão na 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília

Eduardo Cunha - Foto/reprodução (José Cruz/Agência Brasil)
O
ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou improcedente a Reclamação 47034, ajuizada pelo ex-deputado federal Eduardo Cunha, que pedia a suspensão de quatro processos no âmbito da 10ª Vara Federal de Brasília (DF) e usa remessa para a 12ª Vara Federal. As ações se referem à suposta prática de irregularidades na liberação de recursos na Caixa Econômica Federal (CEF) a diversas empresas em troca de pagamentos de vantagens indevidas, objeto da operação "Cui Bono?".

Em fevereiro de 2019, o ministro Edson Fachin, relator do Inquérito 4327, determinou a remessa, para a Justiça Federal do DF, das investigações de acusados que haviam perdido o foro por prerrogativa de função. A decisão foi confirmada pelo Plenário. Na reclamação, a defesa de Cunha argumentava que os processos da operação "Cui Bono?", embora posteriores, são conexos ao "Quadrilhão do MDB", que tramita na 12ª Vara Federal e, por isso, pedia o reconhecimento da prevenção.

Juízo universal
Segundo o ministro Alexandre de Moraes, contudo, não há "prevenção universal" da 12ª Vara Federal do DF para a tramitação "de todo e qualquer caso” envolvendo o chamado “Quadrilhão do MDB". Ele endossou a manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR) de que essa investigação é ampla e abrangente e cuida do delito de organização criminosa do partido político, do que não decorre a prevenção.

O relator ressaltou, ainda, que a 10ª Vara Federal do Distrito Federal é responsável por analisar os casos e os desdobramentos da "Cui Bono?", conforme decisão no Inquérito 4739, também de sua relatoria.


oblogdepianco.com.br com STF