quinta-feira, 26 de agosto de 2021

AGRICULTURA: Banco do Brasil libera R$ 10,5 bilhões adicionais para financiamento rural

Lançamento do Programa BB Investimentos Agro,
no Palácio do Planalto - Foto: Alan Santos/PR
O Presidente da República, Jair Bolsonaro, participou, na tarde da terça-feira (24), do anúncio da liberação de R$ 10,5 bilhões de recursos adicionais do Banco do Brasil para financiamentos rurais.

Os recursos são disponibilizados para atender a demanda do setor e recuperar lavouras prejudicadas pelas geadas. Os agricultores interessados em contratar os recursos devem procurar uma agência do Banco do Brasil.

O evento foi realizado no Palácio do Planalto com a participação da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. “A importância dessa parceria e dos recursos aqui hoje anunciados pelo Banco do Brasil é que poderão fazer com que a nossa safra seja realmente mais forte, maior em volume e que possa trazer riqueza, renda e empregos para o nosso país, nesta retomada que temos hoje que fazer acontecer em nosso país depois do Covid-19”, ressaltou a ministra.

Programa BB Investimentos Agro
Dos R$ 10,5 bilhões liberados, R$ 8,5 bilhões serão destinados para apoiar a ampliação da tecnologia, da sustentabilidade e da infraestrutura no campo, por meio do Programa BB Investimentos Agro. Serão R$ 5,5 bilhões destinados ao financiamento de energia renovável, irrigação, produção integrada, recuperação de pastagem, máquinas e equipamentos. O prazo para quitar essa linha de crédito é de até 10 anos.

O programa também disponibiliza R$ 2 bilhões para financiar a modernização e aquisição de silos e armazéns (até 10 anos de prazo) e mais R$ 1 bilhão para atender pequenos e médios produtores com o BB Consórcio Armazenagem (prazo de até 20 anos).

Além dos recursos para investimentos, o Banco do Brasil também disponibiliza R$ 2 bilhões para amenizar os efeitos das geadas. Metade desse valor é para financiar a recuperação de cafezais danificados (prazo de até cinco anos) e a outra parte para renovação de lavouras afetadas (prazo até 2,5 anos).

“O Banco do Brasil atua em todo o ecossistema do agronegócio, dos pequenos aos grandes produtores, incluindo as cooperativas e agroindústrias. Disponibilizamos linhas de crédito para custeio, investimento, industrialização, comercialização e títulos de mercado”, afirmou o presidente do Banco do Brasil, Fausto Ribeiro.

Funcafé
Neste mês, o Governo Federal já havia colocado à disposição uma linha de crédito de R$ 1,3 bilhão do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para cafeicultores afetados das regiões Sul e Sudeste, por meio de medida do Conselho Monetário Nacional (CMN). Durante o mês de julho de 2021, ocorreram geadas nas principais regiões produtoras de café de Minas Gerais, São Paulo e Paraná.

“Nós conseguimos realocar R$ 1,3 bilhão do Funcafé para ajudar os cafeicultores que tiveram perdas nessa geada, que há 19 anos não tínhamos uma geada tão forte com tantos danos à cafeicultura brasileira”, destacou Tereza Cristina.

Os recursos vão beneficiar agricultores como é o caso do produtor e exportador de café João Francisco Pereira, de Campos Gerais, no sul de Minas Gerais. “Nós tivemos uma perda no sul de Minas muito grande. Na minha lavoura, que tem mais ou menos 400 mil pés de café, foi atingido cerca de 60% deles com a geada. A gente tinha uma expectativa de colheita de cinco mil sacas de cafés e no próximo ano estamos com a expectativa de 2 mil sacas de café. E grande parte dessa lavoura vai ter que ser renovada, vai ter que ser decepada e vai levar dois, três anos para voltar a produção de agora”, contou.

Plano Safra
Segundo o Banco do Brasil, dos R$ 135 bilhões anunciados em julho no maior Plano Safra da história, já foram liberados R$ 23 bilhões entre julho e agosto. O desembolso recorde representa incremento de 61% em relação ao mesmo período da safra anterior, alcançando mais de 4.400 municípios com crédito rural.

oblogdepianco.com.br com Assessoria