quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Em João Pessoa, Candidata a vereadora tem veículo de campanha roubado

(Foto: Reprodução/WhatsApp)
Priscilla Gomes, candidata a vereadora pelo PSB em João Pessoa, fez um desabafo na manhã desta quinta-feira (8), em sua rede social denunciando o furto de sua Kombi, um símbolo de sua campanha.

“Gente, hoje eu acordei com a péssima notícia do furto da minha Kombi. Ela estava na calçada de casa e hoje pela manhã não estava mais lá. Por favor, compartilhem, repassem, ela é muito importante para mim!”, lamentou.

Desde antes do início da sua caminhada em busca do sonho de representar a população pessoense na Câmara Municipal de João Pessoa, Priscilla conta com o auxílio de seu veículo para atividades com a juventude e pela causa animal.

A placa dela é de Campina Grande MND-3944. “Por favor, se verem me avisem ou chamem a polícia”, enfatizou. Priscilla disse que iria na manhã desta quinta à Central de Polícia para fazer um boletim de ocorrência sobre o roubo.

Homenagem
O veículo, carinhosamente batizado de Brígida, recebeu esse nome em homenagem à professora Brígida Rosely, assassinada em 2012 pelo ex-marido, o fotógrafo Gilberto Stuckert. A motivação do crime, de acordo com a promotoria, foi a insatisfação de Gilberto pelo fim do relacionamento.

Em 19 de junho de 2012, Gilberto foi até o apartamento de Brígida e a estrangulou até a morte. Depois do crime, ainda ligou para a mãe dela, chorando, dizendo que tinha feito uma “grande besteira”.

Durante o julgamento, que só aconteceu em setembro de 2015, Gilberto disse que se arrependia do que tinha feito, mas por ter destruído sua própria vida.

A Lei do Feminicídio, que havia entrado em vigor naquele ano, não chegou a ser aplicada, e Stuckert foi condenado por homicídio a 17 anos e seis meses de prisão.

Brígida era professora de Arquivologia da UFPB, e seu assassinato causou comoção em todo o Estado. Ela se tornou um dos símbolos da luta pelo fim da violência contra a mulher, e seu legado de profissionalismo, amizade, dedicação e amor, continuam presentes.

paraibaonline