segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Novos vídeos mostram propina em esquema que envolve deputado Wilson Santiago



Novos vídeos, divulgados no domingo (12) em uma reportagem do Fantástico da TV Globo, mostram flagrantes de pagamento de propina em um esquema de corrupção que desviou verba pública com pagamento de propinas e licitações fraudulentas no município de Uiraúna, uma região pobre e que sofre com um problema crônico de falta de água. O desvio foi feito justamente em obras que poderiam solucionar a falta de água da região, onde os açudes estão praticamente secos. A Polícia Federal investiga o caso e tem na mira o deputado federal Wilson Santiago (PTB) e o prefeito João Bosco Fernandes (PSDB), de Uiraúna, que são aliados políticos.

Em outra reportagem, exibida em dezembro, o Fantástico mostrou vídeos de propinas sendo entregues em Brasília. Dessa vez, os flagrantes foram feitos em João Pessoa, capital da Paraíba.

A reportagem do Fantástico deste domingo (12) visitou a região, conversou com moradores que sofrem com a falta de água, e apresentou detalhes do esquema. A família de dona Libéria de Santana, por exemplo, consome água de má qualidade, suja, porque não chega água potável em sua casa e ela também não tem dinheiro para comprar água limpa proveniente de poço.

Segundo a Polícia Federal, parte da verba reservada para obras de combate a seca no município de Uiraúna foi parar nas mãos do deputado federal Wilson Santiago e do prefeito João Bosco Fernandes (PSDB).

-Aproximadamente R$ 1 milhão foi pago a título de propina para o deputado e R$ 600 mil ao prefeito-, explica Vítor Morais, delegado da Polícia Federal.

O Fantástico mostra ainda como ambos são políticos acostumados em exercer o poder local. Doutor Bosco, como é mais conhecido o prefeito, está em seu quinto mandato não consecutivos como prefeito do município de cerca de 15 mil habitantes. Já Wilson Santiago está no seu terceiro mandato na Câmara dos Deputados.

A obra que o povo tanto espera, e que poderia resolver uma série de problemas com relação à seca, é uma adutora. Ela teve a construção aprovada em 2017 pelo Ministério do Desenvolvimento Regional. Trata-se de um sistema de tubulações que levaria água da Lagoa do Arroz, em São José do Rio do Peixe, até o Açude Capivara, em Uiraúna, que abastece 11 cidades da região.

Ao preço de R$ 24,8 milhões, a obra deveria ter sido concluída em junho do ano passado. Mas, até agora, com R$ 17 milhões já liberados, pouco foi feito. Muito por causa disso, o açude, tecnicamente, entrou em risco de colapso, de tão seco que ele está.

G1