sábado, 6 de fevereiro de 2021

UBAM quer priorizar a imunização de todos os secretários municipais de saúde

(Imagem/reprodução de Internet)
O
presidente nacional da União Brasileira de Municípios (UBAM), executivo Leonardo Santana, solicitou hoje ao Ministério da Saúde que determine a inclusão de todos os secretários e secretárias municipais de saúde do país nos critérios de prioridade na vacinação contra o Coronavírus. Ao todo serão 5.570 imunizados.

Segundo o dirigente municipalista, o trabalho de um secretário de saúde requer presença constante nos hospitais e uma relação direta com as casas de saúde e ambientes de risco, se fazendo justo que eles tenham o mesmo critério de imunização de qualquer profissional de saúde, a exemplo de médicos e enfermeiros.

Leonardo teme também a circulação da nova variante do Covid 19, o que porá em alto risco os profissionais da saúde e seus familiares, categoria que devem ser incluídos os secretários e secretárias de saúde, que compõem o grupo de risco e que não podem deixar de visitar diariamente as unidades municipais e estaduais onde se intensificam os atendimentos à população acometida pelo Coronavirus.

Segundo o Ministério da Saúde, mais de 7 milhões de doses das vacinas Coronavac (Sinovac/Instituto Butantã) e Covishield (AstraZeneca/Fiocruz) já foram distribuídas aos Estados e Municípios desde o início da vacinação, em 18 de janeiro de 2021.

A recomendação do Ministério da Saúde é que os gestores de saúde sigam ordem estipulada pelo Plano de Vacinação, de acordo com as orientações do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Com a lógica tripartite do Sistema Único de Saúde (SUS), estados e municípios têm autonomia para montar seu próprio esquema de vacinação e dar vazão à fila de acordo com as características de sua população, demandas específicas de cada região e doses disponibilizadas, sendo assim, continuou Leonardo, os secretários também podem fazer parte do plano de Prioridade.

O presidente da UBAM espera o apoio das entidades representativas, a exemplo do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), por se tratar de uma reivindicação justa e que se espelha no Princípio da Isonomia e Igualdade, já que os secretários estão sob os mesmos riscos que todos os profissionais, e que lidam com a coordenação de todas as atividades inerentes à saúde da população.

*Agência UBAM

oblogdepianco.com.br