domingo, 14 de fevereiro de 2021

Donald Trump é absolvido pelo Senado dos EUA em julgamento de impeachment


Donald Trump (Foto: Carlos Barria/Reuters (13.nov.2020)
O Senado americano absolveu, na tarde de sábado (13), o ex-presidente Donald Trump no segundo processo impeachment que ele enfrentou nos Estados Unidos.

Depois de uma discussão sobre convocar testemunhas, motivada por um furo de reportagem da CNN, os senadores democratas e republicanos votaram e decidiram pela absolvição. A decisão é definitiva e não cabe recurso.

Acusado pelos democratas de "incitação à insurreição”, por causa da invasão do Congresso no dia 6 de janeiro por seus seguidores, para tentar impedir a certificação da eleição do presidente Joe Biden, Trump deve ser absolvido.

Se Trump fosse condenado, uma segunda votação, por maioria simples, poderia torná-lo inelegível, impedindo-o de concorrer em 2024, por exemplo.Alguns republicanos que responsabilizam Trump pela invasão do Capitólio votarão pela absolvição porque consideram que o impeachment de um ex-presidente é inconstitucional e também porque temem se indispor com a base trumpista, que domina o partido.

A deputada republicana Jamie Herrera Beutler disse à CNN na sexta-feira que ouviu, juntamente com colegas da bancada, do líder de seu partido na Câmara, Kevin McCarthy, o relato de uma conversa telefônica com o Trump, no qual ficou claro que o então presidente não se opunha à violência dentro do Congresso.

Trump, segundo o relato, cobrou de McCarthy mais empenho na resistência à certificação de Biden, enquanto o líder republicano pedia ao então presidente que ordenasse aos seguidores que deixassem o Capitólio.

Os deputados democratas que servem de promotores iam propor convocar Beutler como testemunha. A defesa de Trump ameaçou convocar testemunhas também e fazer o processo se arrastar por semanas ou meses. Os dois lados chegaram a um acordo, e o depoimento da deputada republicana foi depositado como prova do processo.