www.oblogdepianco.com.br

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Jogador Marcinho é indiciado por duplo homicídio culposo após atropelar e matar casal

O delegado Alan Luxardo, da 42ªDP (Recreio dos Bandeirantes) confirmou, na quarta-feira, dia 6, ter indiciado o ex-lateral do Botafogo Márcio Almeida de Oliveira, o Marcinho, por crime de duplo homicídio culposo. Assim, em caso de condenação na Justiça, o atleta pode estar sujeito a uma pena que varia de dois a quatro anos de detenção por cada uma das duas mortes. Marcinho foi apontado pela Polícia Civil como sendo o autor do atropelamento, ocorrido na noite do último dia 30, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio, que vitimou o casal de professores do Cefet/RJ Alexandre Silva Lima, de 44 anos, e Maria Cristina José Soares, de 66.

O primeiro morreu no local do acidente. Já Maria Cristina morreu, nesta terça-feira, dia 5, em um hospital particular onde estava internada. O casal estava junto há 12 anos, e em janeiro de 2019, havia firmado em cartório a união estável.

De acordo com o delegado Alan Luxardo, o inquérito deve relatado e concluído já na próxima semana. Antes, Marcinho pode ser mais uma vez ouvido pela polícia, já que testemunhas que prestaram depoimento nesta terça disseram que o jogador estava em alta velocidade. Um dia antes, Marcinho foi ouvido na delegacia e alegou que seu carro estava numa velocidade de 60 quilômetros, quando o acidente ocorreu.

— Agora é acabar de ouvir testemunhas, juntar os laudos periciais e concluir o inquérito policial. Acredito que até semana que vem isto esteja terminado. É possível que, com as divergências que possam ter ocorrido entre os depoimentos (de Marcinho e de três testemunhas), ele seja novamente chamado para esclarecer estes detalhes — diz o delegado.

A Polícia Civil ainda aguarda a conclusão do laudo pericial feito no carro do jogador. Mesmo assim, o delegado admite que há indícios de que Marcinho não estava trafegando numa velocidade de 60 quilômetros quando o acidente aconteceu. Márcio Albuquerque, um dos advogados que defende os interesses da família dos professores mortos, também afirmou que a velocidade do carro dirigido pelo jogador era maior do que foi alegado pelo atleta no momento do acidente.

— O estrago causado no carro não condiz com a velocidade alegada por ele — afirma o advogado Márcio Albuquerque.

Nesta quarta-feira, quatro testemunhas que estiveram com Marcinho, momentos antes do acidente, foram ouvidas pela polícia. Elas informaram que estavam com o jogador numa confraternização de família e que o lateral não fez uso de bebida alcoólica.

Na última segunda-feira, o advogado Gabriel Habib, que acompanhou o atleta na delegacia, informou que o ex- jogador ainda tentou frear e desviar do casal, mas que não conseguiu. Ele também chegou a classificar o acidente como inevitável e informou que as vítimas estavam fora da faixa de pedestres. De acordo com os advogados da família dos professores mortos, a previsão é a de que o corpo de Maria Cristina seja cremado nesta quinta-feira.

Foto: Domingos Peixoto / Agência O GloboMais

esportes.yahoo.com