segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Sem agendas pré definidas e divulgadas nos veículos de comunicação no município, candidatos improvisam visitas e surpreende eleitores

S
em divulgar através das suas assessorias as agendas de campanha, os candidatos - seja majoritário ou proporcional -, fazem seus próprios caminhos no improviso e isso tem surpreendido o eleitor que, na sua maioria, sem esperar a visita dos candidatos, chegam a ser visitados por até três ou mais candidatos em um único dia. Um eleitor de uma comunidade rural disse a nossa reportagem, nessa segunda-feira (26), que ontem, domingo (25), recebeu a visita de quatro candidatos a vereador. "Eu recebi todo mundo, mas não sei em quem votar", disse.

Analistas políticos - quem tem aos montes em Piancó -, acreditam que esse silêncio de informar pra onde estão indo, é uma estratégia de campanha, para evitar que os dois grupos que estão polarizando a campanha na cidade, não se encontrem no mesmo local e na mesma hora. 

As mídias sociais tem feito o papel de divulgar os registros de visitas dos candidatos, principalmente aos que concorrem na chapa majoritária. O que os internautas observam e que, em determinado dia, um candidato as) está numa imagem na casa de um determinado eleitor e, no outro dia, o outro candidato (a) posta imagem naquela mesma casa. Isso vem confundindo o eleitor que 'só observa' as movimentações políticas.

As lives não tem mostrado conteúdos objetivos
As lives vem sendo usada desde há muito tempo por candidatos, só que nos ultimos dias, passou de mostrar ações propositivas, para apresentar palavras agressivas contra determinados candidatos, o que, segundo opinião do eleitor, só reflete o velho modo de fazer campanha política na cidade. O eleitor quer ouvir propostas e como estas serão executadas. Fazer lives, ocupando espaços e o tempo do eleitor, para tratar de assuntos que não diz respeito ao Plano de Governo dos candidatos, não interessa a população. O eleitor que ouvir os candidatos e não porta-vozes.

Os grupos de WhatsApp tem sido uma ferramenta de desconfiança... Quase todos os grupos tem um 'agente disfarçado' que faz prints dos posts e jogam para outras pessoas. E essas pessoas jogam em vários grupos espalhados nos Smartphones e Iphone o que torna as conversas, públicas e em muitos casos, causando constrangimento a determinadas famílias que escutam os áudios e ficam estarrecidos com o que pensam sobre seus pensamentos políticos com relação a escolhas para a prefeitura e câmara municipal.

Coronavírus
Os eleitores vem observando que nas visitas e em muitas imagens fotográficas com adesões, as precauções contra a Covid-19 e em especial o uso de máscaras, não tem sido a preocupação de muitos candidatos(as), seja a Majoritária ou a Proporcional.

Fake News
Por causa da onda do novo Coronavírus,  a campanha eleitoral está sendo feita através das redes sociais. Por isso, as plataformas digitais firmaram uma parceria com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o combate das notícias falsas que circulam nas redes.

Plataformas com WhatsApp, Facebook, Instagram, Tik Tok, Twitter, YouTube e Google anunciaram medidas que vão ajudar a diminuir a circulação das fake news durante o período eleitoral. As empresas terão que fazer campanhas com conteúdos oficiais, além de informar o que pode ou não ser feito nas plataformas durante as eleições.

Na semana passada o TSE lançou um canal de denúncias de mensagens em massa no WhatsApp durante as eleições.

oblogdepianco.com.br