sábado, 26 de setembro de 2020

Em Patos, Três tentativas de golpe de clonagem pelo Whatsapp; Empresária alerta sobre golpe através do aplicativo

Fonte: opbnews com PatosTVSol

Renata Morgana e Pedro Carpelli
Está cada vez mais comum ouvir falar no golpe que usa o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp, onde os criminosos clonam a conta e depois pedem dinheiro aos contatos se passando pela vítima. Por três vezes, a empresária e esposa do cantor Pedro Carpelli, Renata Morgana, foi alvo desse mesmo golpe, mas, por sorte, não caiu em nenhuma das circunstâncias.

A mais recente tentativa contra a Renata aconteceu durante essa semana. O suspeito se passou por um servidor público do Ministério da Saúde e disse que estava realizando uma pesquisa sobre o novo coronavírus.

“Já atendi imaginando que poderia ser algo errado, pois já aconteceu comigo duas vezes, antes dessa. Ligaram e falaram que era uma pesquisa para o Ministério da Saúde, pediram pra falar com Renata Morgana e começaram as perguntas sobre os sintomas da Covid-19, sobre uso de máscaras e álcool”, disse ela.

Mas o perigo foi depois que pediram um código que seria envidado. Porém a empresária de Patos estava atenta e percebeu que se tratava de um crime.

“Depois de respondidas as perguntas, afirmou ser uma pesquisa de grande importância para o país e agradeceu. Falou que eu iria receber um código enviado por ele e que esse código seria para a confirmação das minhas respostas. Sendo que como eu já sabia, não enviei o código e desliguei”.

Renata alerta que “esse código é pedido no WhatsApp” e caso ela tivesse enviado o estelionatário teria tido acesso total a conta dela e aos contatos salvos no aplicativo.

Ela não procurou a polícia para registrar um boletim de ocorrência, mas depois dessa última tentativa, a patoense começou a usar as mídias sociais para alertar outras pessoas sobre esse tipo de ação criminosa.

“Achei importante falar na minha rede social, para ajudar a outras pessoas”, frisou.

Aqui na capital do Sertão já foram registrados alguns outros casos semelhantes, mas, diferente deste, nos demais os estelionatários conseguiram obter êxito e foram altos os prejuízos para as vítimas.

Como agir nestes casos, segundo a polícia?
De acordo com o delegado seccional da Polícia Civil de Patos, George Welington, “a orientação é no sentido de que o cidadão, ao receber um telefonema em que o interlocutor envia dados pessoais e/ou pede dados pessoais do cidadão, evite responder com o fornecimento de dados, desligue o telefone e procure a delegacia mais próxima ou acesse a delegacia on-line, se possível, para registrar uma ocorrência policial”, pontuou.

Para o delegado, no caso específico desse tipo de golpe, onde se pede para enviar o código de ativação do WhatsApp, a atenção deve ser redobrada. “Em caso de já ter repassado o código do aplicativo, acesse a plataforma WhatsApp, através do suporte do aplicativo, para dar conhecimento e pedir a suspensão de sua conta, evitando assim que o delinquente alcance o seu intento criminoso. E mais, desinstale o aplicativo e reinstale novamente usando o seu código de ativação. Com isso, a conta de WhatsApp do aparelho utilizado pelo criminoso será imediatamente bloqueado. E avise o quanto antes aos seus contatos individuais ou agrupados”, aconselhou.

oblogdepianco.com.br