domingo, 29 de março de 2020

Justiça proíbe governo de veicular propaganda contra o fim da quarentena; veja a íntegra

Campanha o Brasil não pode parar/Reprodução

A campanha "O Brasil não pode parar", do governo federal, está suspensa em caráter liminar emitido pela Justiça Federal do Rio de Janeiro. Na campanha, o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) defende a suspensão do isolamento social, medida mais eficaz para o combate da pandemia do coronavírus segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e maiores cientistas do mundo.


A medida atende a uma solicitação do Ministério Público Federal (MPF) e foi concedida pela juíza federal Laura Bastos Carvalho. A decisão barra também qualquer propaganda do governo que não se embase em critérios técnicos do Ministério da Saúde e da ciência.

O presidente Jair Bolsonaro decidiu institucionalizar sua campanha contra o isolamento social, fator mais eficaz contra a propagação do coronavírus, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). O governo federal lançou uma campanha chamada "O Brasil não pode parar" para defender que apenas idosos e pessoas com doenças pré-existentes fiquem em casa. Mesmo contrariando as recomendações das principais autoridades mundiais no assunto, Bolsonaro alega que o fim do confinamento é necessário para a retomada econômica.

No fim de fevereiro, a prefeitura de Milão, na Itália, lançou uma campanha parecida com a que foi apresentada na quinta-feira (26) pelo governo de Jair Bolsonaro. O discurso era de que o vírus não podia parar a economia. Um mês depois, com 4,4 mil mortes registrados na cidade, por covid-19, Giuseppe Sala, o prefeito, pediu desculpas.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) protagonizou mais uma cena de descaso com a gravidade do coronavírus. Em entrevista ao apresentador Datena na noite de sexta-feira (27), o chefe do Executivo confessou ter ciência de que o covid-19 vai matar pessoas, mas não demonstrou empatia. “Alguns vão morrer? Vão, ué, lamento. Essa é a vida”, disse Jair.

Decisão que manda o governo retirar do ar a campanha "O Brasil não pode parar"

Congresso em Foco