domingo, 22 de dezembro de 2019

Cássio Cunha Lima evita relacionar Operação Calvário a resultado de eleições de 2014

Sem mandato por um ano, o ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) disse que não iria polemizar com a Operação Calvário que resultou no desmonte de um esquema de fraudes e desvio de recursos públicos da saúde e de educação da Paraíba.

Cássio disse que não pretende fazer qualquer juízo de valor, no momento, acerca dos desdobramentos da Operação, diretamente relacionados às eleições de 2014, na qual amargou um resultado adverso para o então governador e candidato à reeleição Ricardo Coutinho (PSB).

“O caso é de polícia, e não de política”, limitou-se a declarar o ´tucano´.

O que diz Ruy

Em 2014, o deputado federal Ruy Carneiro estava como candidato a vice-governador na chapa liderada por Cássio. Na ocasião, o PSDB liderou as eleições no 1º turno, mas perdeu no 2º turno para Ricardo Coutinho.

A derrota fez com que Cássio voltasse para o Senado, onde tinha mais quatro anos de mandato, mas deixou Ruy sem cargo eletivo nenhum.

– É importante dizer que nesse escândalo financeiro não está citado ainda o escândalo oficial que está no TSE, que é o Empreender, PBPrev, benefícios que foram dados de forma legal, entre aspas, para cooptação do voto. Juntando isso ao dinheiro da Calvário, está explicado não só não termos ganhado no primeiro turno, como ele ter ganhado no segundo turno, – alertou Ruy.

E concluiu:

– Isso aí tudo eu entrego a Deus. O tempo já passou e não volta mais atrás. E como eu dizia há algum tempo atrás, a história nos fará justiça, e está fazendo, – observou Ruy.

pbagora