segunda-feira, 3 de junho de 2019

Mais de 100 cidades da PB ainda não atingiram meta de vacinação contra gripe

Por G1 PB
Prefeitura de Piancó
Ao todo, 101 cidades da Paraíba não atingiram a metade de vacinação contra a gripe desde que a campanha começou, dia 10 de abril. A ação termina nesta sexta-feira (31) e, até agora, a Paraíba registrou 84,21% da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, que é de 90%.

Piancó atingiu a meta de vacinação proposta pelo Ministério da Saúde na Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe. A meta era vacinar, pelo menos, 90% dos grupos prioritários para a vacinação, mas o município atingiu 98,69%. Foram aplicadas 4.730 doses, que envolveu indivíduos com 60 anos ou mais de idade; crianças de 6 meses a menores de 5 anos; gestantes e Puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores de saúde da rede pública e privada; professores; entre outros.

A partir de segunda-feira (3), toda a população poderá se vacinar, caso os municípios tenham doses da vacina sobrando, após ter conseguido alcançar a meta dos grupos prioritários. Dos 223 municípios paraibanos, 122 atingiram a meta.

Quem ainda não tiver conseguido alcançar a meta, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), recomenda aos municípios que continuem vacinando as pessoas dos grupos prioritários. Na Paraíba, até agora, foram vacinadas cerca de um milhão de pessoas.

Além disso, a secretaria informou que não há previsão de receber mais doses do Ministério da Saúde.

A imunização, feita com o vírus atenuado e fragmentado, protege contra três tipos do influenza: H1N1, H3N2 e B. A campanha é voltada para os grupos prioritários, uma vez que, conforme a Secretaria, as pessoas que se encaixam nessas categorias estão mais propensas a desenvolver complicações ou quadros graves, devido à doença.

Grupos de risco
-pessoas com 60 anos ou mais de idade
-crianças na faixa etária de 6 meses até 5 anos, 11 meses e 29 dias
-gestantes
-puérperas (até 45 dias após o parto)
-trabalhadores da saúde
-professores das escolas públicas e privadas
-povos indígenas
-grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições 
-clínicas especiais
-adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas
-população privada de liberdade
-funcionários do sistema prisional e profissionais das forças de segurança e salvamento (policiais, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas)