quinta-feira, 23 de maio de 2019

Moro demite delegado da PF que foi investigado por receber propina

O delegado de Polícia Federal Ênio de Paula Salgado foi demitido pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O profissional foi investigado em 2016 na Operação Inversão, responsável por apurar suposto esquema de propinas instalado na época na Delegacia de Crimes Previdenciários da Superintendência Regional da PF em São Paulo.

A ação de Moro é amparada em um parecer da Consultoria Jurídica do Ministério da Justiça, Controladoria-Geral da União e Advocacia-Geral da União, datado de 23 de abril, que imputa ao delegado violação dos incisos VIII e IX da Lei nº 4.878, de 3 dezembro de 1965 (regime jurídico dos policiais), ou seja, “praticar ato que importe em escândalo ou que concorra para comprometer a função policial” e “receber propinas, comissões, presentes ou auferir vantagens e proveitos pessoais de qualquer espécie e, sob qualquer pretexto, em razão das atribuições que exerce”.

Sobre a Operação
A Operação Inversão, ação integrada do Ministério Público Federal e do Setor de Contra-Inteligência da PF, foi deflagrada em julho de 2016. Na ocasião, outros dois delegados federais da ativa e um aposentado foram presos. O inquérito principal deu origem a outra investigação, que apontou para o suposto envolvimento de Ênio de Paula Salgado.

O esquema de propinas a policiais operou entre 2010 e 2015. Segundo a investigação, a vantagem ilícita era repassada a policiais federais por alvos de inquéritos sobre crimes contra a Previdência.