quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Enquanto Azevedo manteve Cruz Vermelha, Romero rompe com a Aliança após escândalos

O prefeito Romero Rodrigues decidiu romper, unilateralmente, nessa quarta (dia 27) o contrato com a Aliança Comunicação e Cultura, responsável pela organização do Maior São João do Mundo. A decisão do prefeito se deu após a deflagração da Operação Fantoche que revelou envolvimento de seus diretores em suposto esquema de desvio de recursos do Sistema S e do Ministério do Turismo.

Romero aproveitou para anunciar pregão presencial, próximo dia 14, objetivando a contratação de uma outra empresa para gerenciar o São João. O prefeito lembrou que, desde 2017, quando a Aliança passou a administrar o evento, a prefeitura de Campina Grande não recebeu quaisquer recursos do Ministério do Turismo. Por fim, pontuou: “De qualquer forma, iremos realizar uma grande festa este ano.”

A diferença – Enquanto o prefeito campinense, mesmo correndo o risco de comprometer o sucesso do Maior São do Mundo com uma mudança em cima da hora, o mesmo não deu, por exemplo, com o governador João Azevedo que, mesmo diante das denúncias envolvendo auxiliares, tanto na Operação Calvário, quanto em áudios suspeitos vazados na Internet, não demitiu os secretários e nem rompeu contrato com a Cruz Vermelha ou outra organização social.

Tudo bem que o governador sofra pressão de aliados para não demitir os auxiliares ou romper o contrato com a Cruz Vermelha gaúcha, contratada pelo ex Ricardo Coutinho, seu mentor político, mas sua inação em tomar uma atitude mais proativa, certamente poderá custar caro mais adiante. E mostra não ter a mesma preocupação do prefeito Romero com a saúde da máquina pública e sua imagem pessoal.

blog de Helder Moura