segunda-feira, 29 de outubro de 2018

No primeiro discurso após derrota, Haddad pede respeito e coragem à oposição

O segundo colocado na disputa presidencial agradeceu a mobilização de todos na campanha
Reprodução/Facebook


No primeiro discurso após a confirmação de sua derrota no segundo turno da corrida presidencial, Fernando Haddad (PT) agradeceu a mobilização dos brasileiros nos dias de campanha e disse que o momento é de coragem. Jair Bolsonaro (PSL) venceu a disputa, neste domingo (28), com 55% dos votos válidos contra 45% do petista.

“Uma parte expressiva do povo brasileiro precisa ser respeitada neste momento, a parte que diverge da maioria e tem outro projeto para o Brasil”, disse Haddad em São Paulo. Haddad não telefonou para Bolsonaro, como é praxe o perdedor fazer quando termina a apuração dos votos. Questionado pela emissora se ligaria para o adversário, o ex-prefeito afirmou que “não haveria clima” e que “temeu a reação de Bolsonaro”. O candidato do PSL disse que, caso o petista vencesse, ele mandaria prendê-lo e não reconheceria o resultado.

Ao lado da família, da candidata a vice de sua chapa, Manuela D’Ávila, da ex-presidente Dilma Rousseff, do ex-candidato do Psol Guilherme Boulos e outros apoiadores, o ex-prefeito de São Paulo disse que é preciso manter as instituições funcionando e que ele e seus aliados continuarão a fazer oposição durante o próximo governo.

“Nós temos a responsabilidade de fazer uma oposição colocando os interesses nacionais, o interesse do povo brasileiro acima de tudo”, disse. “Vamos colocar o nosso ponto de vista, respeitando a democracia.”

Durante o discurso, Haddad também disse que as instituições foram colocadas à prova e citou o impeachment de Dilma em 2016 e a prisão “injusta”, segundo ele, do ex-presidente Lula.

O candidato, que teve mais de 45 milhões de votos, disse ainda que este é o melhor momento para exercer a cidadania e que não vai desistir de lutar pelo país.
 
congressoemfoco