quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Bolsonaro amplia vantagem no Datafolha e empata com Haddad em segundo turno

Pesquisa Datafolha sobre a corrida presidencial divulgada nesta terça-feira (2) mostra que o candidato Jair Bolsonaro (PSL) cresceu quatro pontos percentuais e ultrapassou, pela primeira vez nos levantamentos do instituto, os 30%. Ele tem 32% e é seguido por Fernando Haddad (PT), que continua em segundo lugar, mas oscilou 1% em relação à pesquisa anterior (Bolsonaro 28% e Haddad 22%), divulgada em 28 de setembro.

Ciro Gomes (PDT), que disputa eleitores de esquerda com Haddad, mantém-se com os 11% do levantamento anterior e empata, dentro da margem de erro, com Geraldo Alckmin (PSDB) tendo oscilado de 10% para 9%. Marina Silva (Rede), que chegou a ter cerca de 20% das intenções de voto no começo dos levantamentos (inclusivo no Ibope), caiu para 4%.

O Instituto Datafolha entrevistou, apenas nesta terça-feira (2), 3.240 eleitores em 225 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o código BR-03147/2018.

Veja os principais números:

Jair Bolsonaro (PSL): 32%
Fernando Haddad (PT): 21%
Ciro Gomes (PDT): 11%
Geraldo Alckmin (PSDB): 9%
Marina Silva (Rede): 4%
João Amoêdo (Novo): 3%
Henrique Meirelles (MDB): 2%
Alvaro Dias (Podemos): 2%
Cabo Daciolo (Patriota): 2%
Guilherme Boulos (PSOL): 0%
João Goulart Filho (PPL): 0%
Eymael (DC): 0%
Vera Lúcia (PSTU): 0%
Branco/nulos: 8%
Não sabe/não respondeu: 5%

Segundo turno
Nas simulações de segundo turno, Bolsonaro também conseguiu elevar percentuais quando confrontado com seus principais adversários. Quando o cenário é Bolsonaro contra Haddad, o placar é de 44% do ex-capitão do Exército contra 42% do petista – que, no levantamento anterior, vencia Bolsonaro por 45% a 39%.


Outro indicativo favorável a Bolsonaro é a simulação de segundo turno com Ciro Gomes. O candidato do PSL, que chegou a estar dez pontos percentuais atrás do ex-governador cearense, agora vê a diferença cair para quatro pontos: 46% a 42%. No levantamento anterior, Ciro tinha 48% e Bolsonaro, 38%.

Quando a simulação é com Alckmin, há empate técnico. O tucano, que batia Bolsonaro por 45% a 38% no levantamento anterior (diferença de 7%), agora supera o adversário por apenas dois pontos percentuais, dentro da margem de erro (2%): 43% a 41%.

Rejeição
Haddad viu sua taxa de rejeição subir e se aproximar da de Bolsonaro. O petista tinha 32% no levantamento anterior, e agora chega a 41%. Já o deputado militarista oscilou para baixo, chegando a 45% – tinha 46% na pesquisa anterior.

No caso das taxas de rejeição, entrevistados são convidados a dizer em quem não votariam em hipótese alguma. Por isso, a soma dos percentuais referentes a todos os candidatos pode ultrapassar 100%.

Veja as demais taxas de rejeição:

 Congresso em Foco