quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Filho de Bolsonaro é envolvido em polêmica com foto alusiva à tortura

Correio Braziliense
Filho do candidato do PSL à Presidência da República, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro foi envolvido em uma polêmica na tarde desta quarta-feira (26/9). Em seus stories do Instagram, Carlos compartilhou uma manifestação artística e foi acusado nas rede sociais de fazer apologia à tortura.

Na imagem, um homem aparece amarrado, com um saco na cabeça, sangrando e com a expressão #EleNão — usada por ativistas contrários a Bolsonaro — pintada no peito, em aparente protesto contra o deputado e presidenciável do PSL. A publicação teria sido feita inicialmente por um usuário identificado como Ronaldo Creative, que, em sua biografia no Instagram, diz usar "a arte como forma de protesto". Como seu perfil estava privado, o Correio não conseguiu chegar à postagem original.

Logo depois, a publicação foi repostada pelo perfil Direita PVH, com a frase "sobre pais que choram no banho" (posteriormente, a legenda foi editada e a conta modificada para privada). Tal frase costuma ser usada por conservadores para ironizar manifestações artísticas mais expressivas. Seria uma alusão ao fato de os pais terem vergonha dos filhos que participam desses atos.

A polêmica começou quando Carlos Bolsonaro republicou a postagem da Direita PVH em seus stories. Vários usuários foram às redes para dizer que o vereador estava fazendo apologia à tortura. Outros, saíram em sua defesa. Seu nome, inclusive, chegou a figurar entre os assuntos mais comentados do Brasil no Twitter.