domingo, 26 de agosto de 2018

Energia vai ficar mais cara na Paraíba a partir de 28 de agosto

A energia distribuída para residências e comércios na Paraíba ficará 15,41% mais cara a partir da próxima terça-feira. A decisão foi anunciada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), após reunião pública de sua diretoria, realizada ontem.

As mudanças também atingem indústrias que trabalham com energia de alta tensão. Para esse segmento, o aumento será de 16,75%. No total, 1,4 milhão de unidades consumidoras serão afetadas nos 216 municípios do Estado.

De acordo com a Agência, o principal responsável pela alta do preço foram os componentes financeiros relacionados à aquisição de energia e ao chamado risco hidrológico (quando não há água suficiente em reservas para atender à demanda hidrelétrica). Juntos, estes componentes foram responsáveis por mais da metade do reajuste implantado, um total de 8,73 pontos percentuais.

A Aneel, no entanto, afirma que os vilões podem ser responsáveis por boas notícias em 2019. A empresa afirma que o mesmo efeito financeiro deve atenuar no próximo ano o processo tarifário da Energisa. O cálculo também leva em consideração a variação de custos associados à prestação do serviço, atendendo a previsões do contrato de concessão.

A Aneel considera no cálculo do aumento médio de baixa tensão o repasse para residências, empreendimentos rurais, pequena indústria, comércio, serviços, poder público, serviço público e Iluminação pública. A alta tensão engloba grandes indústrias com alta demanda de consumo.

Ontem, a Agência ainda aprovou aumentos nos preços de outras quatro distribuidoras pelo país: a Cemar, no Maranhão; Cooperaliança e João Cesa, ambas em Santa Catarina; e a Forcel, no Paraná. Os paranaenses estarão expostos à maior inflação nos preços, chegando a mais de 20% para baixa tensão, e mais de 40% para alta.

CorreiodaParaíba