quinta-feira, 5 de julho de 2018

Em Piancó, CAPS III realiza encontro sobre Matriciamento; Entenda o que é e para que serve

Matriciamento, é o suporte realizado por profissionais de diversas áreas especializadas dado a uma equipe interdisciplinar com o intuito de ampliar o campo de atuação e qualificar suas ações. (FIGUEIREDO apud SILVA; LIMA; ROBERTO; BARFKNECHT; VARGAS; KRANEN e NOVELLI, 2010). Ou seja, “matriciamento ou apoio matricial é um novo modo de produzir saúde em que duas ou mais equipes, num processo de construção compartilhada, criam uma proposta de intervenção pedagógico-terapêutica” (Ministério da Saúde, 2011, p. 13). O apoio matricial, formulado por Gastão Wagner em 1999, tem possibilitado, no Brasil, um cuidado colaborativo entre a saúde mental e a atenção primária (Ministério da Saúde, 2011 p. 13), e essa relação amplia a possibilidade de realizar a clínica ampliada e a integração e diálogo entre diferentes especialidades e profissões (CAMPOS e DOMITTI apud Ministério da Saúde, 2011).

O Caps III João Galdino da Costa realizou, através de profissionais de diversas áreas especializadas, encontro sobre o Campo de Atuação e Qualificação de suas Ações, dado a uma equipe interdisciplinar com o intuito de ampliar esse trabalho.

Hoje, quinta-feira (05), reuniram-se as equipes de Saúde Mental, Atenção Básica e NASF, com o objetivo de ampliar o apoio Matricial em equipes, conforme informou Márcia Leite, coordenadora do Caps III.

Dinâmica e Estratégias dos Procedimentos Usados:
Para efetivar a prática do matriciamento foram considerados alguns materiais,  os quais definem que “a organização e o desenvolvimento do processo de trabalho do NASF dependem de algumas ferramentas já amplamente testadas na realidade brasileira, como é o caso do Apoio Matricial, da Clínica Ampliada, do Projeto Terapêutico Singular (PTS), do Projeto de Saúde no Território (PST) e a Pactuação do Apoio”. Diante deste estudo, desenvolveu-se algumas ações para a efetivação das referidas ferramentas, conforme você verá a seguir,  as propostas mais especificamente relacionadas ao matriciamento:

a) Projeto Terapêutico Singular: conjunto de propostas de condutas terapêuticas articuladas, para um sujeito individual ou coletivo, resultado da discussão coletiva de uma equipe interdisciplinar. 

Para tanto, as equipes elegem usuários ou famílias em situações mais graves ou difíceis para as discussões do PTS, estas ocorrem nas reuniões periódicas de matriciamento entre NASF e equipe de referência. Neste dia definem-se as propostas de intervenções (uma vez que a equipe fez os diagnósticos, ela faz propostas de curto, médio e longo prazo), a divisão de responsabilidades e posteriormente a avaliação dos resultados (momento em que se discutirá a evolução e se farão as devidas alterações se necessário).

b) Consulta Conjunta: técnica de aprendizagem que reúne, na mesma cena, profissionais de saúde de diferentes categorias, o paciente e, se necessário, a família deste. Em vista disso, as equipes realizam discussão prévia ao atendimento, orientam o usuário sobre esta abordagem e solicitam permissão junto a este. Prontamente é realizada a consulta propriamente dita, seguida de discussão de uma conduta compartilhada.

c) Visita Domiciliar Conjunta: recurso usado em última instância quando não há outra forma de abordagem, seja por dificuldade de acesso do usuário ao serviço ou mesmo na intenção de conhecer a realidade onde ele vive.

d) Contato a Distância: disponibiliza-se contato via telefone e e-mail às UBS.

Além dos instrumentos previstos desenvolvemos outros materiais de apoio:

e) Prontuário Eletrônico: todas as situações onde elabora-se o PTS são registradas pelo NASF em formulário/prontuário eletrônico e este é disponibilizado através de pasta compartilhada.

oblogdepianco.com.br com Assessoria