terça-feira, 27 de março de 2018

Marcondes Gadelha diz que a palavra chave é "A União das Oposições" se referindo as eleições desse ano

Eu costumo dizer que estamos num quarto escuro, de olhos vendados, procurando um gato preto que não está lá dentro, mas quando sair tem que estar com o gato nas mãos”. A frase é uma definição para a atual condição das oposições na Paraíba, segundo a visão do presidente do PSC, Marcondes Gadelha.

Em entrevista à Rádio Campina FM, o ex-senador disse que até o momento as lideranças das oposições não se reuniram para definir quem deve ser o candidato do grupo.

O desejo dele, é que as oposições marchem unidas e que o nome, seja Maranhão, Renato Gadelha, Pedro ou Cássio Cunha Lima, Manoel Júnior, ou outros, é o que menos importa.

Para Gadelha o importante é ter um projeto de convergência das oposições, seguindo um projeto que vise a melhoria na segurança e nas polícias públicas de saúde, educação, mobilidade urbana

– A posição do PSC nunca mudou, sempre foi de continuar uma defesa em prol da unidade das oposições. Quem conseguir uni-las, naturalmente terá nosso acatamento e apoio. Achamos que essa é a condição necessária e efetiva para ganhar as eleições, sem ela fica a luta fica mais pesada. Mas, unidas, são imbatíveis – disse ele.

A possível chegada do vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior ao partido, se colocando como pré-candidato ao governo, não tira do PSC a luta pela união.

De acordo com Marcondes, a filiação do vice é muito positiva e o partido segue com boas expectativas, porém o PSC também tem nomes como o de Leonardo e Dalton Gadelha.

– Nosso partido tem excelentes nomes como o de Manoel Jr, o deputado Leonardo Gadelha, Dalton Gadelha, e se tudo correr bem no que diz respeito a ter a união das oposições, o PSC vai considerar isso em torno de outros nomes e outros partidos também. A palavra-chave é a unidade das oposições – declarou.

oblogdepianco.com.br com ResumoPB e Informações da Rádio Campina FM