quinta-feira, 22 de março de 2018

Clima de tensão entre RC e Lígia ganha repercussão nacional

Uma reportagem do jornal O Estadão, refletindo a geografia política dos Estados na disputa ao Governo, traz o registro de que, na Paraíba, existe uma forte tensão entre o governador Ricardo Coutinho e sua vice, Lígia Feliciano. O fato não chega a ser novidade para os paraibanos que, há tempos, vem acompanhando essa queda de braço.

Diz O Estadão: “Na Paraíba, o governador Ricardo Coutinho (PSB) quer como seu sucessor o atual secretário de Infraestrutura, João Azevedo (PSB). Preterida, a vice, Lígia Feliciano, foi lançada como pré-candidata ao governo pelo PDT para que faça palanque para o presidenciável da legenda, o ex-ministro Ciro Gomes.”

É notório que o governador não confia em sua vice, e tem um candidato in pectore, que é o secretário João Azevedo (Infraestrutura). Se dependesse do governador, Lígia deixaria seu posto em 7 de abril, junto com o próprio. A ideia, já amplamente difundida, é que, diante da vacância dupla, a Assembleia eleja pela via indireta um governador-tampão. Proposta que não tem seduzido Lígia e Damião Feliciano.

E talvez seja esse o único empecilho que ainda leva o governador a não assumir publicamente que deixará o Governo até 7 de abril, apesar de todas as movimentações em contrário, como, por exemplo, antecipação de inauguração de obras ainda inacabadas, como ocorreu, recentemente, com o Parque Parahyba II.



Fonte: Helder Moura