sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Secretaria Municipal de Saúde de cidade do Sertão, realiza constantes ações de combate a doenças endêmicas

A Prefeitura de Conceição, através da Secretaria Municipal de Saúde, Coordenação de Atenção Básica, Agentes de Endemias e Saúde, sempre intensificou as ações em combate ao mosquito palha, transmissor do Calazar ou Leishmaniose, como também o Aedes Aegypti mosquito transmissor da dengue e da febre amarela urbana.

Ao longo da atua gestão municipal é uma preocupação da Secretária de Saúde Magnady Lacerda, realizar campanhas de conscientização e controles de possíveis endemias que possa chegar ao município, as equipe de Agentes de Endemias do município trabalham sempre na busca de possíveis animais infectados, visitando todos os Bairros de Conceição.

Em levantamento feito pela nossa equipe e em contato com a secretaria constatamos que em Conceição não há registro de animais infectados aos quais em 2017 centenas de animais foram recolhidos pelos agentes para exames que pudesse identificar o Calazar, já agora em 2018 os agentes estão realizando o mesmo trabalho que busca inibir o surgimento de qualquer doença que possa afetar a população local, o Aedes Aegypti ou mosquito palha, não cabendo somente este trabalho de prevenção aos agentes e a gestão municipal, mais também a comunidade.A coordenadora de Vigilância Epidemiológica e ambiental Juliana Mangueira através de oficio solicitou a Secretaria Estadual de Saúde (SES), a qual compete seja feito um trabalho de Pulverização em possíveis localidades de risco, e de acordo resposta da mesma, logo após o carnaval uma equipe estaria vindo a Conceição. “A Pulverização tem uma eficaz comprovada e assegura que todos os mosquitos sejam eliminados.”

É bom lembrar que o cão não é o vilão da história. Ele é tão vítima quanto nós. Quem propaga a doença é o mosquito palha, que se prolifera em locais úmidos, com acúmulo de material orgânico e lixo. Por tanto, a população tem papel importantíssimo no combate a esta doença.

No Vale do Piancó ano passado foram registrados casos da doença nos municípios de: Coremas (2), Itaporanga (2), Piancó (1) e Serra Grande, Conforme a SES, o número de casos contabilizados está dentro do quantitativo esperado.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, de janeiro a dezembro de 2017 foram confirmados 47 casos de leishmaniose visceral, com três mortes na Paraíba (duas em Campina Grande e uma em João Pessoa).

Leishmaniose Visceral (Calazar)
Leishmaniose visceral, ou calazar, é uma doença transmitida pelo mosquito-palha ou birigui (Lutzomyia longipalpis) que, ao picar, introduz na circulação do hospedeiro o protozoário Leishmania chagasi.

A doença não é contagiosa nem se transmite diretamente de uma pessoa para outra, nem de um animal para outro, nem dos animais para as pessoas. A transmissão do parasita ocorre apenas através da picada do mosquito fêmea infectado.

Na maioria dos casos, o período de incubação é de 2 a 4 meses, mas pode variar de 10 dias a 24 meses.

Sintomas
Os principais sintomas da leishmaniose visceral são febre intermitente com semanas de duração, fraqueza, perda de apetite, emagrecimento, anemia, palidez, aumento do baço e do fígado, comprometimento da medula óssea, problemas respiratórios, diarreia, sangramentos na boca e nos intestinos.

Recomendações
Mantenha a casa limpa e o quintal livre dos criadores de insetos. O mosquito-palha vive nas proximidades das residências, preferencialmente em lugares úmidos, mais escuros e com acúmulo de material orgânico. Ataca nas primeiras horas do dia ou ao entardecer.

oblogdepianco.com.br com fonte do Conceição Verdade