sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Piancó: Por um debate menos vazio e rancoroso

(Reprodução)
A democracia piancoense assiste, mais uma vez, a setores que, às vésperas de uma campanha eleitoral de nível estadual e nacional, tentam influenciar o processo eleitoral por meio de denúncias vazias, que não encontram qualquer respaldo na realidade local. "É de se chamar a atenção dos nossos adversários, que usa a impressa, para tentar denegrir a imagem do nosso prefeito Daniel Galdino, com denuncias vazias e sem fundamentos. Aconselho a esses políticos pobres de espírito, e de cultura, que, em vez de está tentando confundir os eleitores de nosso município, tentando denegrir a integridade moral de nosso prefeito, com denúncias sem qualquer embasamento, seja jurídico, seja político; porque não publicam os descasos dos vereadores opositores, que foram eleitos para defender o povo de Piancó, e não quer que o nosso povo receba qualquer beneficio que o nosso prefeito quer fazer por nossa cidade?".

Há a possibilidade de processos e retratações, mas certamente o objetivo de confundir o eleitor já foi obtido e, portanto, a punição se torna meramente retórica. Por esse motivo - o poder do estrago mesmo que posteriormente seja esclarecida a verdade -, é que criar denúncias vazias, tornou-se um hábito de meia-dúzia de inconformados com o resultado das eleições de 2016 na cidade de Piancó.

Estão analisando os casos, não sob o aspecto político-jurídico, mas sim sob o prisma da vingança.  Primeiro, por ser as denúncias vazias e pautadas em ações que nada prova; segundo, pela maioria estar ali, na Prefeitura, por delegação de competência do povo piancoense, que elegeu Daniel e este, consequentemente, nomeou toda sua equipe administrativa.

Ato desesperado – Como se disse inicialmente, na política não há lugar para o vazio, no sentido do desamparo, mesmo que seja impossível suplantá-lo.


George Sousa Junior