domingo, 28 de janeiro de 2018

Criminosos invadem festa e matam 14 pessoas na maior chacina do Ceará

    Uma chacina deixou 14 mortos em uma festa no Bairro Cajazeiras, em Fortaleza, na madrugada deste sábado (27). O número da maior chacina do estado do Ceará foi confirmado pelo secretário da Segurança Pública do Ceará, André Costa. Nesta tarde, a secretaria informou que a polícia prendeu uma pessoa suspeita de participar da chacina e apreendeu um fuzil.

    Segundo um policial militar que conversou com o G1 e moradores do bairro, membros de uma facção criminosa dispararam contra a danceteria "Forró do Gago" por volta de 1h30 (horário de Brasília). Vários homens armados chegaram em três carros, invadiram o local e dispararam tiros, conforme os relatos.

    O secretário, no entanto, disse que as investigações ainda estão acontecendo e preferiu não atribuir o crime a uma disputa entre facções. Segundo ele, a chacina foi "um caso pontual" e o "estado não perdeu o controle [do combate ao crime]".

    Além do fuzil, a polícia também apreendeu uma bomba de gás lacrimogêneo que estava no interior do clube onde ocorreu a chacina. O artefato explosivo foi desarmado e recolhido por uma equipe da Polícia Militar. A polícia não informou a quem pertencia a bomba.

    Costa disse que a secretaria está trabalhando para identificar todas as vítimas, investigar a motivação do crime e fazendo buscas por suspeitos.

    Entre os 14 mortos, há oito vítimas do sexo feminino e seis do sexo masculino. Um motorista do aplicativo Uber e um vendedor de cachorro-quente estão entre os mortos. Um menino de 12 anos ficou ferido. Os nomes não foram divulgados.


    Outras dez pessoas ficaram feridas e foram hospitalizadas, duas em estado grave. Sete continuam internadas no Instituto Dr. José Frota (IJF) e outro no hospital Frotinha de Messejana.

    Os internados no hospital Instituto José Frota (IJF) são:
    um homem de 24 anos;
    uma mulher de 23 anos;
    uma jovem de 19 anos;
    duas adolescentes de 17 anos;
    duas adolescentes de 16 anos;
    um adolescente de 16 anos;
    um garoto de 12 anos

    A procuradora de Justiça, Vanja Fontenele Pontes, coordenadora do Ministério Público do Ceará, comentou que o órgão também iniciou as investigações para tentar identificar os suspeitos. "Lamentamos muito essa situação, mas nós estamos trabalhando. Eu espero [que essa violência] pare por aqui", afirmou.

    G1