domingo, 19 de novembro de 2017

Semana Estadual de Combate ao Aedes Aegypti terá início a partir de segunda-feira, 20 de novembro, em todo o Estado

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) inicia, nesta segunda-feira (20), às 8h, a Semana Estadual de Combate ao Aedes Aegypti. O trabalho será realizado até o dia 24, em vários municípios, em parceria com as Secretarias de Estado da Educação; do Desenvolvimento Humano; Departamento de Estradas e Rodagens (DER); Marinha do Brasil; Orçamento Democrático; Defesa Civil e Cosems.

A abertura oficial será na terça-feira (21), às 8h30, no Espaço Cultural, onde serão oferecidos vários serviços de saúde, a exemplo de teste de glicemia, verificação de pressão e orientação para doação de sangue. O objetivo é manter a população em alerta contra o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika, mesmo com as quedas drásticas no número de casos em todo estado.

“A ideia é dar uma sacudida na população que está muito acomodada, já que as arboviroses (doenças transmitidas por insetos) estão controladas. Mas é importante lembrar que, apesar desse controle, nunca devemos baixar a guarda contra o Aedes, principalmente agora que vamos entrar no verão, período propício à proliferação do mosquito”, disse o gerente de Vigilância Ambiental da SES, Geraldo Moreira.

Dentro da programação da Semana Estadual de Combate ao mosquito, estão previstas panfletagem e conversa com a população em diversos pontos onde há grande movimentação de pessoas, a exemplo do Detran; Balsa de Cabedelo; Restaurantes Populares; Casas da Cidadania; Centros Sociais Urbanos; Sine; Unidades de Saúde da Família (USF), entre outros.

“Nós vamos aproveitar os serviços que a Secretaria de Desenvolvimento Humano tem, em todo estado, pra realizar o trabalho de conscientização de combate ao mosquito nesses lugares”, declarou a técnica da Sedh, Rosângela Assunção.

O Programa Saúde na Escola (PSE) vai envolver os estudantes nas atividades de combate ao mosquito. “São alunos que já trabalham esta temática, na sala de aula, ao longo do ano e conversam sobre o assunto com os familiares, vizinhos e amigos. Portanto, é uma ação rotineira pra eles”, informou a técnica do PSE, Karla Hérika.

Novos dados – No período de 1º de janeiro a 14 de outubro, foram notificados 3.568 casos suspeitos de dengue. Já em 2015 e 2016, no mesmo período, registrou-se, respectivamente, 25.851 e 43.823 casos. Quanto à chikungunya, em 2017, foram registrados 1.590 casos; já em 2016, no mesmo período, foram 21.255 casos suspeitos e, quanto à zika, registrou-se 161 casos. No mesmo período de 2016, foram registrados 4.896 casos.

Óbitos – Até a 41ª Semana Epidemiológica, foram notificados 22 óbitos com suspeita de causa de arboviroses. Destes, foram confirmados três para chikungunya (Caaporã, Campina Grande e Barra de Santana) e dois para dengue (Bayeux e Conceição). Seis foram descartados (João Pessoa, Massaranduba, Esperança, Bom Jesus e Boqueirão) e 11 estão sendo investigados (Bayeux, João Pessoa, Conceição, Santa Rita, Sousa, Cabedelo, Piancó e Mogeiro).