quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Mudanças de cargos do Governo do Estado em cidades do Sertão pode causar mal estar nos aliados do governador

(Reprodução)
Na tentativa de abraçar todos os aliados que já estão se movimentando para alavancar a pré-candidatura de João Azevedo (PSB), ao governo do Estado em 2018, o o governador Ricardo Coutinho (PSB), já se mobiliza junto a seus aliados e busca uma mudança no quadro de funcionários que ocupam cargos de direção e em comissão no Sertão, a exemplo do Vale do Piancó. Segundo se vê nas entrelinhas, o governador já deu início a "dança das cadeiras" e os cargos onde existe importância administrativa nos municípios, serão feito remanejamentos, de acordo com cada pré-candidato a reeleição ou a eleição, para deputados federal e estadual. A vinda do presidente da AL, Gervásio Maia (PSB), ao Vale do Piancó no último dia 02, teve uma agenda marcada por reuniões entre aliados que colocaram seus pleitos e as mudanças ocorrerão em breve.

Em Piancó, por exemplo, fala-se em várias mudanças nos órgãos existentes no Município e que são de indicação do governador.

Os aliados do governador não estão se entendendo quanto as indicações e há até quem diga que essa mudança pode, ao invés de somar, diminuir os apoios na região.

Nos próximos dias o Diário Oficial virá recheado de novas portarias. Prefeitos, ex-prefeitos e outras lideranças, querem mostrar poder junto ao eleitor, fazendo as indicações mais importantes. Essa disputa interna vai deixar muitos ocupantes de cargos em desarmonia com aqueles que o indicaram até então.

Sempre foi assim... Toda campanha eleitoral a nível estadual traz a tona esse tipo de mudança e debates sobre indicações. Quem conseguir continuar nas suas funções, que exerça seu cargo com responsabilidade e dê atenção especial a população, que é o direito constitucional obrigatório.

Nos municípios, as mudanças em cargos para aglutinar forças para os candidatos a deputados federal e estadual que vier a ter o apoio do prefeito (a), será um quebra-cabeças, já que os municípios passam por dificuldades financeiras e a recomendação do TCE é para que os prefeitos não excedam a Folha e ultrapassem o limite financeiro que cada município pode junto a Lei de Responsabilidade Fiscal.