quinta-feira, 14 de setembro de 2017

'Dissimulado é ele', diz advogado de Palocci sobre Lula

O advogado do ex-ministro Antonio Palocci, Adriano Bretas, rebateu a declaração do ex-presidente Lula. Em depoimento, Lula chamou Palocci de frio, calculista e simulador. Segundo Bretas, o ex-presidente muda sua opinião à mercê das conveniências.

Lula presta depoimento a Sergio MoroMoro adverte Lula a não usar ‘querida’ quando respondia à procuradoraLula deixa perguntas sem respostas em depoimento a MoroLula deixa perguntas sem respostas em depoimento a Moro

— O ex-presidente Lula afirmou que Palocci teria sido frio, calculista, dissimulado. Desejo para ele os mesmos adjetivos — disse Bretas.

Segundo Bretas, a estratégia de Lula é sempre negar tudo o que é contrário a ele no processo que corre na Justiça Federal do Paraná. Como exemplo, citou a própria mudança de postura de Lula em relação ao ministro Antonio Palocci. Em abril, Lula disse não tinha preocupação com uma possível delação de Palocci ao afirmar que o ex-ministro era seu companheiro há 30 anos e um dos homens mais inteligentes do país.

— Quando o Palocci estava em silêncio, ele era inteligente. Dissimulado é ele (Lula), que nega tudo o que contraria ele. Alguém fala contra ele, é mentiroso. Alguém apresenta um documento, o documento não existe — disse.

Hoje, durante o depoimento, a defesa questionou a veracidade de alguns documentos apresentados pelos executivos da Odebrecht em seus acordos de colaboração premiada.

— Ele teve a pachorra de dizer que se encontrava o Palocci a cada oito meses, muito raramente. Só faltou dizer que não conhecia o Palocci. Acho que ele não tem condição nenhuma de criticar a opção de alguém que escolhe colaborar — completou Bretas.

Lula foi ouvido nesta quarta-feira por duas horas no processo que investiga a suposta compra de um terreno para instalação da futura sede do Instituto Lula e também sobre o apartamento usado por ele em São Bernardo do Campo. O ex-presidente voltou a negar todas acusações contra ele, e ainda se recusou a responder alguns questionamentos.

No depoimento, Moro advertiu Lula para ele não usar o tratamento de “querida” enquanto respondia às indagações da procuradora Isabel Groba Vieira, que acompanhava o interrogatório. Depois da reclamação feita pela própria procuradora, Moro disse ter esquecido de avisar ao ex-presidente que ele deveria usar o tratamento protocolar no instante em se dirigia ás autoridades.