quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Morto nesta terça, dono da OAS estava prestes a delatar tucanos e juízes

César Mata Pires, que morreu nesta terça-feira (22), seria um dos delatores da OAS a relatar pagamentos de propina e caixa dois em obras do governo do Estado de São Paulo, como linhas do Metrô e Rodoanel. Entre os muitos citados em sua delação estariam o senador Aécio Neves (PSDB-MG), governadores, deputados, senadores e ministros do Superior Tribunal de Justiça.

A empreiteira, segundo seu próprio site, foi criada em 1976, na Bahia, com atuação no setor de engenharia e infraestrutura. “Hoje, é um conglomerado multinacional brasileiro, de capital privado, que reúne empresas presentes em território nacional e em mais de 20 países.”

Morte
O maior acionista da OAS, Cesar Mata Pires, morreu nesta terça-feira, 22, em São Paulo. O empresário foi vítima de um infarto fulminante.

Ele estava caminhando pelo bairro do Pacaembu, na capital paulista, quando sofreu o infarto.

O empresário é um dos fundadores da OAS.

Brasil 247