sábado, 26 de agosto de 2017

Câmara de Piancó realizou Sessão na última quinta-feira (24) com elogios da população

Disse um eleitor presente ao espaço aberto ao público (Galerias) durante a Sessão da última quinta-feira (24): "Hoje os vereadores estão produzindo conteúdos de interesse da população, sem agressões ou críticas infundadas ao prefeito". Não é novidade que as últimas sessões da Câmara Municipal tem sido realizada sempre com a presença da Polícia Militar, o que para alguns pode parecer algo normal, mas para aqueles que frequentam às sessões da Casa Legislativa, entende-se que essa presença, da PM, se faz necessário pelos constantes embates acirrados que vem sendo travado por alguns parlamentares, inclusive pelo presidente da Câmara, que usa do seus cargo maior, para fazer pronunciamentos usando palavras que não condizem com a função de um parlamentar, eleito pelo voto popular.

Incentivado por pessoas extra-câmara, alguns vereadores da Oposição vem agindo de forma inadequada com seu mandato. Sabe-se que quem está "auxiliando" voluntariamente os parlamentares da Oposição, é alguém que já fez isso em épocas remotas, e foi massacrado pela população eleitora. Buscar tirar gratificações de funcionários "Comissionados" é burrice e só prejudica cidadãos que estão ali tentando ganhar um salário para poder enfrentar as dificuldades financeira que o Capitalismo lhes impõe. Perseguir essas pessoas com processos contra o prefeito municipal, para que se retire as "gratificações" dessas pessoas, é um ato desprovido de qualquer senso de coerência e não dignos de respeito aos que tentam agir dessa forma. O povo não pode ser usado como massa de manobra de vereadores que não tem conteúdos para inviabilizar a gestão do atual prefeito de Piancó. Tentar atingir o prefeito, penalizando os funcionários, é burrice.

Perseguir o funcionário público (concursado ou comissionado) não é uma boa ideia.Todos os que foram contra essas pessoas (funcionários), que trabalham para ganhar seus salário e suprir suas necessidades pessoais ou familiares, tiveram o repúdio da população. 

Tentar atingir o prefeito, por puro proselitismo (As pessoas que praticam o proselitismo são conhecidos por utilizar de técnicas de persuasão antiéticas e muitas vezes agressivas) e as vezes atingindo o cidadão, especialmente os que tem um cargo na gestão municipal, não é a maneira mais adequada de se fazer Oposição.

Imprensa
Tentar impedir a imprensa de se manifestar, também não condiz com a função de um detentor de cargo público, a exemplo de um parlamentar. se um vereador, por exemplo, se sentir ofendido com alguma nota publicada na imprensa (seja sites, blogs, rádios, etc), tem o direito constitucional de pedir Direito de Resposta. Agora se não tem argumentos para responder, então usa-se a ferramenta da intimidação ou agressão verbal. A Constituição de 1988 reservou um capítulo específico para a Comunicação Social (arts. 220 a 224). A Constituição assegurou a mais ampla liberdade de manifestação do pensamento (arts. 5º, inciso IV e 220). No que tange especificamente à liberdade de imprensa, a Constituição é expressa: “nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, incisos IV, V, X, XIII e XIV” (art. 220, § 1º).

A Constituição de 1988 distingue censura de controle. A censura é um instrumento odioso utilizado pelos regimes ditatoriais. Não é compatível, portanto, com o regime democrático.