sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Atentado terrorista deixa mortos e feridos em Barcelona

Ao menos 13 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas no atropelamento causado por uma van, nesta quinta-feira, em Barcelona, segundo Carles Puigdemont, presidente do governo da Catalunha. O grupo jihadista Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado.

A polícia da Catalunha confirmou que dois homens foram presos por suspeita de ligação com o atentado. Segundo Josep Luís Trapero, major dos “Mossos d’Esquadra”, nome da força policial catalã, um é originário de Melilla, enclave espanhol no norte da África, e outro é do vizinho Marrocos. Nenhum deles tinha antecedentes criminais ou ligações anteriores com o terrorismo.

Ainda de acordo com Trapero, nenhum dos dois presos estava ao volante da van que invadiu as Ramblas. “Detivemos duas pessoas diretamente implicadas no atentado, mas nenhuma delas era o condutor do furgão.”

Quando o veículo se chocou contra um quiosque comercial, o motorista abriu a porta e saiu correndo, sem dar nenhum grito. “Não há nenhuma prova de que a pessoa que saiu da van estava armada”, disse Trapero, acrescentando que a vontade do terrorista era a de “matar o maior número possível de pessoas”.

A Polícia da Catalunha também investiga uma suposta conexão entre o atropelamento e a explosão de uma casa em Alcanar, a 200 quilômetros de Barcelona, que deixou uma pessoa morta e várias feridas. O local, que ficou totalmente destruído, tinha cerca de 20 cilindros de gás.

O suspeito espanhol foi capturado na própria Alcanar, enquanto o marroquino está detido em Ripoll, a 80 quilômetros de Barcelona e vizinha a Vic, onde foi encontrada uma van supostamente usada para a fuga dos terroristas.

Em sinal de condolência pelo atentado, o governo catalão declarou três dias de luto na comunidade autônoma e suspendeu todas as atividades “lúdicas” preparadas para os próximos dias nas cidades da região.

A polícia catalã negou que homens armados estivessem entrincheirados em um bar em Barcelona, como havia sido divulgado pela imprensa logo após o atentado terrorista em Las Ramblas. No Twitter, agentes da polícia informara que “não há nenhuma barricada em qualquer bar”. “Nós prendemos um homem e tratamos o caso como atentado terrorista”, escreveram.

A Casa Real espanhola e o chefe de governo, Mariano Rajoy, condenaram o ataque desta quinta-feira. “Não vão nos aterrorizar. Toda a Espanha é Barcelona. Las Ramblas voltarão a ser de todos”, escreveu a Casa Real no Twitter, enquanto o chefe de governo, Mariano Rajoy, tuitou: “os terroristas nunca vão derrotar um povo unido que ama a liberdade frente à barbárie”.

IstoÉ