terça-feira, 27 de junho de 2017

Qual a reação de um pai ao saber que sua filha caçula se tornou prostituta na adolescência; o que fazer

(Imagem meramente ilustrativa de Internet/Reprodução)
Qual a reação de um pai ao saber que sua filha caçula se tornou prostituta na adolescência; o que fazer? Essa  pergunta pode até ser simples no seio de algumas famílias, mas onde há harmonia e uma educação rígida, com princípios basilares e com toda atenção necessária dos pais, oferendo tudo aquilo que está ao seu alcance, a exemplo de boa educação, boas escolas, tudo envolvido nas orientações religiosas (bíblicas). O homossexualismo é aceitável por se tratar de fatores genéticos e até de orientações sexuais. Para cientistas dos Estados Unidos, orientações sexuais se devem a fatores genéticos, mas também ambientais, ainda durante a gravidez. Mas a prostituição na adolescência se deve a que? Será que a culpa é dos pais que não conseguiu acompanhar o desenvolvimento sexual dos filhos?
Desinteresse pela escola, vestuário mais audaz e adulto, mudanças nas relações interpessoais, linguagem em que a sexualidade é banalizada ou banida. Sinais que podem indicar que nem tudo está bem. Escola e família devem estar atentas. 
"A prostituição na adolescência pode aparecer nos meios socialmente desfavorecidos como uma forma de alterar um registro deficitário na estrutura familiar, mas é acompanhada de vergonha, humilhação e estruturação emocional e psicológica que permitam lidar com uma realidade agressiva e violenta. Por vezes, repetem-se padrões familiares, numa reprodução fatal de quem não consegue romper ciclos socialmente impostos sem rupturas ou saídas pois as oportunidades não existem." Catarina Agante, psicóloga do Serviço de Psicologia e Orientação do Agrupamento de Escolas de Miragaia, aborda a prostituição na adolescência de diversos ângulos. 
Agora o ato sexual com menores de 16 anos, sendo consensual, não caracteriza crime de Pedofilia. 
Adolescentes nesta situação requerem um bom suporte, já que o risco de absentismo, abandono escolar, reprovações, é muito grande. E os professores podem ter um papel determinante, uma vez que os primeiros sinais podem ser detetados dentro da sala de aula.
O que fazer diante de uma situação dessas? 
Olhar nos olhos dos que   aproveitam-se da ingenuidade de sua filha e usam dessa situação e seduzem diante da "inocência" para cometer o ato libidinoso.
Sexualidade informada é fundamental. "A educação sexual ajuda as crianças e adolescentes a estar informados e a saber defender-se e procurar desenvolver uma sexualidade saudável. Uma criança ou adolescente informado tem mais tendência a refletir e fazer escolhas em vez de se deixar 'ir' em situações, menos frequentemente se deixa 'enganar' ou seduzir por estranhos (ou por vezes por pessoas próxima a família ou no seio do lar). Uma criança ou adolescente informado sabe melhor proteger-se e procurar ajuda quando não consegue sozinho resolver os problemas", sublinha. Margarida Gaspar de Matos considera "uma grande conquista" a lei que torna a educação sexual obrigatória nas escolas. Em seu entender, os gabinetes de apoio aos alunos "são da maior importância para a promoção do bem-estar dos alunos e prevenção de situações de abuso físico e sexual". 
A violência moral é aquela que age no psíquico da vítima e cuja força intimidatória é capaz de anular sua capacidade de querer. A lei faz menção a ameaça grave, isto é, o dano prometido deve ser maior que a própria conjunção carnal ou prática do ato libidinoso, não tendo a vítima outra alternativa senão ceder à realização do ato sexual. O mal prometido pode ser direto (contra a própria vítima) ou indireto (contra terceiros ligados à vítima); justo (denunciar crimes praticados pela vítima) ou injusto (anunciar que vai matá-la).
CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL

Introdução e enfoque constitucional
Art. , III, da CF: erigiu o princípio fundamental da pessoa humana, que, evidentemente, contempla a dignidade sexual.

Nesta diapasão, a inviolabilidade do corpo humano, o direito à opção sexual e a liberdade sexual, têm proteção constitucional, de acordo com o ordenamento jurídico vigente, de forma abrangente.

No Direito Penal, revelaram-se alterações legislativas voltadas ao combate dos crimes praticados contra a dignidade sexual, com destaque à proteção do vulnerável.

Antonio Cabral (DRT-PB 3085)
oblogdepianco.com.br