sexta-feira, 12 de maio de 2017

Suspeito de participar de chacina na Espanha é indiciado por estupro


Suspeito de participar de chacina na Espanha é indiciado por estupro

A Polícia Civil indiciou por estupro de vulnerável Marvin Henriques Correia, 18 anos, jovem suspeito de participação também na chacina de uma família brasileira na Espanha, em agosto de 2016. De acordo com a delegada da infância e juventude de João Pessoa, Joana D'arc Sampaio, o suspeito confirmou que fez sexo com a adolescente de 13 anos, mas que ele não sabia idade da vítima.

Percival Henriques, pai de Marvin, falou  que "prefere não dar detalhes sobre o caso, porque envolve uma menor de idade e corre o risco de expor a menina". Ele ainda afirma que a jovem dizia ser mais velha do que era, dizia ter 16 anos, e que eles estavam em comum acordo.A defesa de Marvin Henriques acompanhou o depoimento, que aconteceu por volta das 15h desta quinta-feira. "A defesa acompanhou, não interferiu, inclusive ajudou no momento do depoimento. O advogado se mostrou disposto a colaborar com as investigações", revelou Joana D'arc.


A delegada confirmou o indiciamento de Marvin por estupro de vulnerável, mas afirmou que o relatório só vai ser enviado à Justiça na próxima semana.

Entenda o casoA delegada Joana D’arc explicou ao G1 que a denúncia foi feita pela mãe da adolescente no dia 19 de abril. Segundo a delegada, a mãe flagrou a filha fazendo sexo com Marvin Henriques dentro de um carro no bairro de Tambauzinho. No depoimento prestado na delegacia, a adolescente afirmou que o sexo foi consensual, mas a delegada explica que a lei prevê como estupro a prática sexual com menores de 14 anos.

“No seu depoimento, a adolescente contou que mantinha um relacionamento amoroso com o suspeito e que aquela relação flagrada pela mãe seria a terceira do casal. A adolescente foi submetida a todos os exames necessários à investigação e passou pelo procedimento preventivo no Instituto Cândida Vargas”, explicou a delegada.

A denúncia foi realizada na Delegacia da Mulher na quarta-feira, mas somente na sexta-feira (21) foi repassada para a Delegacia da Infância e da Juventude. Marvin Henriques Correia ainda não prestou depoimento, mas, segundo Joana D’arc Sampaio, deve ser intimado a prestar esclarecimentos à polícia. “A mãe não prestou depoimento, então devo ouvi-la também. É preciso aguardar também os resultados dos exames feitos na adolescente”, acrescentou.

Ainda de acordo com depoimento prestado pela adolescente, segundo a delegada que comanda o inquérito, ela não citou que tinha conhecimento do envolvimento do suspeito no caso da chacina da Espanha. “Ela não contou à delegada que sabia do envolvimento dele no caso da Espanha. Mas confessou que ele era seu ‘ficante’, que os dois mantinham um relacionamento”, concluiu.

Participação em chacina na EspanhaMarvin Correia foi preso pela Polícia Civil no dia 28 de outubro de 2016. De acordo com a polícia, Marvin manteve um conversa e troca de fotos via Whatsapp com Patrick Gouveia, sobrinho de Marcos Campos e réu confesso da chacina na Espanha. O jovem foi indiciado pela Polícia Civil da Paraíba como partícipe na morte de Marcos Campos Nogueira, a última vítima da chacina.O delegado Reinaldo Nóbrega disse que o inquérito foi concluído no dia 7 de novembro. Ele entende que Marvin "incentivou" o crime.

No dia 30 de novembro, Marvin Correia foi liberado para responder ao processo em liberdade cumprindo medidas cautelares, como usar tornozeleira eletrônica, ficar recolhido em casa todos os dias das 22h às 6h (horário local).


G1