quarta-feira, 17 de maio de 2017

Fachin levanta sigilo de delação que complica Gleisi Hoffmann


Fachin levanta sigilo de delação que complica Gleisi Hoffmann

Embora seja tratada como celebridade no material de divulgação dos congressos estaduais da legenda - o de Pernambuco ocorre no próximo fim de semana -, a situação de Gleisi é cada vez mais complicada.

Na noite dessa terça-feira (16), o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), levantou o sigilo dos termos da delação de Fernando Migliaccio, executivo que atuou no setor de propinas da Odebrecht.

Migliaccio detalhou aos procuradores da República como dinheiro sujo abasteceu o caixa eleitoral da petista na disputa ao governo do Paraná em 2014. De acordo com Migliaccio, R$ 5 milhões foram entregues à campanha da parlamentar com autorização de Marcelo Odebrecht.

"Os pagamentos foram efetuados em espécie, em uma empresa de marketing de Curitiba", afirmou.

Ele disse não se recordar o nome da empresa, mas que a pessoa encarregada de intermediar era um marqueteiro de nome Bruno.

A colaboração de Migliaccio foi firmada individualmente e não está entre as delações dos 77 executivos da Odebrecht negociadas em conjunto com a Procuradoria-Geral da República.
 

Época