terça-feira, 11 de abril de 2017

Lula é o "amigo" da planilha de propinas, diz Odebrecht a Moro


Lula é o

Segundo ele, a entrega de valores a Lula era feita por Branislav Kontic, assessor do ex-ministro Antonio Palocci. O empresário confirmou ainda que Palocci intermediava as remessas de dinheiro para o PT e era o "italiano" na planilha de pagamentos da empresa. O ex-ministro Guido Mantega, que sucedeu Palocci no Ministério da Fazenda, também teria passado a ser responsável pela movimentação de recursos para o PT, tendo sido batizado com o codinome de "pós-italiano" ou "pós-itália".O empresário confirmou todos os repasses anotados na planilha do Setor de Operações Estruturadas, que ficou conhecida como departamento de propinas da Odebrecht.

Uma das provas de corroboração da denúncia contra Lula, apresentada pela Odebrecht, são duas versões da planilha de repasses ao PT.


A primeira versão da planilha, datada de 31 de junho de 2012, traz a informação de que havia R$ 23 milhões à disposição de Lula, identificado pelo codinome "Amigo". A segunda versão, datada de 31 de março de 2014, aponta um saldo de R$ 10 milhões para o codinome "Amigo".

A diferença de R$ 13 milhões teria sido sacada entre os 21 meses que separam as duas versões da planilha. Os saques para Lula teriam sido identificados na tabela "Programa B". Marcelo Odebrecht explicou no depoimento desta segunda-feira que "B" é uma referência a Branislav Kontic, que retirava o dinheiro em espécie e entregava ao ex-presidente.

Registrada com o nome "Programa Espacial Italiano", a primeira versão da planilha foi apreendida pela Lava-Jato no e-mail de Fernando Migliaccio, um dos executivos do departamento de propinas da Odebrecht. Delator da Lava-Jato, ele entregou ao MPF outras versões do mesmo documento, com registro de saques realizados ao longo do tempo, o que permitiu à Lava-Jato conhecer, em detalhes, a movimentação.A planilha "posição italiano" indica a movimentação de R$ 128 milhões que, segundo a força-tarefa da Lava-Jato, teriam sido destinados ao PT e movimentados por Palocci. O saldo da conta era de R$ 79,5 milhões em 2012.Moro tem mantido os depoimentos da Odebrecht em sigilo. Argumenta que é preciso esperar que o sigilo seja levantado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).Ontem, porém, o juiz foi surpreendido com o vazamento de informações do depoimento de Marcelo Odebrecht ao site Antagonista, ainda durante a audiência. O aviso foi dado pelo advogado José Roberto Batocchio, que representa Lula, Palocci e Mantega.Os advogados se dispuseram a mostrar seus celulares ao juiz, na tentativa de provar que não foram eles que vazaram informações. Nada foi encontrado. O juiz fez constar na ata da audiência que nem ele, nem a servidora da Justiça que acompanhou a audiência, estavam com celulares na sala. Policiais federais que faziam a escolta dos presos e procuradores também apresentaram seus aparelhos.

Os advogados têm três dias para requerer medidas que considerem pertinentes.Batochio não quis comentar as acusações.

Ele afirmou ao GLOBO que houve vazamento criminoso de informações e que não revelaria ou comentaria conteúdo sigiloso.

Em nota, o Instituto Lula afirmou que o ex-presidente Lula teve seus sigilos fiscais e telefônicos quebrados, sua residência e de seus familiares sofreram busca e apreensão há mais de um ano, mais de 100 testemunhas foram ouvidas e não foi encontrado nenhum recurso indevido.

"Lula jamais solicitou qualquer recurso indevido para a Odebrecht ou qualquer outra empresa para qualquer fim e isso será provado na Justiça. Lula não tem nenhuma relação com qualquer planilha na qual outros possam se referir a ele como "amigo”, diz a nota.

Leia mais: http://oglobo.globo.com/oglobo-21189528#ixzz4dteeHFq8