sábado, 1 de abril de 2017

Autoridades russas investigam jogo online que já levou mais de cem jovens ao suicídio

Yulia Konstantinova, jovem russa de 15 anos que é uma das vítimas do jogo "Blue Whale"
(Yulia Konstantinova,  uma das vítimas do jogo “Blue Whale”)
Chama-se “Blue Whale” (“Baleia Azul” em português) e é, porventura, o jogo online mais sinistro e perturbador de sempre.
Ao que consta, os adolescentes são desafiados a cumprir diversas tarefas de automutilação, como cortar a pele e cravar palavras e símbolos nos braços, incluindo a baleia que dá nome ao jogo (“Blue Whale”).

Quem entende participar fica ainda sujeito à privação de sono, bem como a ver filmes de terror sem parar. Ao 50.º dia, o jogador recebe instruções para terminar com a própria vida e, se a “lavagem cerebral” tiver funcionado, avança sem medo.
(dr) The Siberian Times

Automutilação é uma das tarefas para concluir o jogo "Blue Whale"
(Automutilação é uma das tarefas para concluir o jogo “Blue Whale”)
Como exemplo, saiba que Yulia Konstantinova, de 15 anos, e Veronika Volkova, de 16, saltaram do topo de um prédio em Ust-Ilimsk, na Rússia, no último domingo. As duas são apenas dois exemplos de mais de uma centena que cederam às regras e concluíram o desafio.

As autoridades russas já estão a investigar o caso e descobriram que Konstantinova deixou um recado na rede social Vkontakte pouco antes de se suicidar e que dizia “Fim”. Depois, ainda partilhou a foto de uma baleia azul.
Sabe-se ainda que o suposto administrador do grupo, Phillip Budeikin, de 21 anos, foi recentemente preso.

No entanto, apesar de terem diminuído, os casos de automutilação e suicídio relacionados com o jogo ainda se mantêm. Os dois últimos casos provocaram uma onda de choque na Rússia, mas a verdade é que o desafio continua a afetar muitos jovens.