segunda-feira, 27 de março de 2017

Nota à imprensa


No "território livre" da Paraíba de Ricardo Coutinho, retaliação, perseguição e uso político da máquina pública são elementos corriqueiros. Após várias denúncias da oposição e do Ministério Público Eleitoral questionando os gastos e a campanha antecipada envolvendo a visita de dois ex-presidentes às obras da Transposição do Rio São Francisco, nesse fim de semana, a revista Isto É traz matéria mostrando a relação entre os fornecedores do evento e os fornecedores que prestam serviço ao Estado.

A matéria "Quem banca a campanha antecipada?" mostra o estreito caminho entre o dinheiro público e seu uso pré-eleitoral. Sem dúvidas, a repercussão nacional de mais uma suspeita da utilização da máquina do Estado para benefício eleitoral deve ter tirado o sono na Granja Santana.


Na tentativa de suprimir esse escândalo, fazem ressuscitar, de forma atemporal e em pleno fim de semana, um episódio que estive envolvido em 2013. Naquele ano, após tomar uma taça de vinho e ter tido a péssima ideia de dirigir, fui pego na blitz da Lei Seca. Ao ser abordado, fiz o bafômetro, paguei multa e fui liberado.

Quatro anos depois e, coincidentemente, em meio a denúncias envolvendo o Governo do Estado, o Detran decide publicar no Diário Oficial deste domingo resolução suspendendo a minha Carteira Nacional de Habilitação.


Errei, admito, mas em nenhum momento fui omisso com meus atos e tampouco agi de modo a tentar me esquivar do erro que cometi. Assumo as consequências e peço desculpas públicas pela infração, jamais repetida. Agora, o que não vou permitir é o uso político de um fato que envolve a minha vida privada. A verdade é que Ricardo Coutinho e seus aliados querem usá-lo para tirar o foco de um escândalo sem precedentes.


Se a intenção em tornar público algo da minha vida particular, justamente quando vem à tona denúncias graves de uso da máquina pelo senhor governador, era me calar, saibam que serei cada vez mais combativo. Continuarei denunciando os desmandos desse Governo que não tem respeito ao povo e nem ao dinheiro público. Não me calarei e reitero o meu compromisso de fazer a defesa intransigente dos interesses dos paraibanos.



Tovar Correia Lima